Um crítico do New York Times sugeriu que a Mona Lisa fosse derrubada

DOUNIAMAG-FILES-FRANCE-PAINTING-HERITAGE-ART-MUSEUM Eric FeferbergGetty Images

Tive a sorte de ir a Paris duas vezes, e nas duas vezes tentei ver o Monalisa. No inverno de 2016, esperei duas horas na fila do lado de fora do Louvre, sob o ar gelado da França, antes de finalmente ter acesso à pintura mais famosa do mundo. Eu lentamente abri caminho entre os turistas até chegar à barricada, onde tirei cinco segundos e tirei a selfie que você vê abaixo. Na primavera de 2019, voltei ao museu, mas quando cheguei lá, uma placa na frente dizia que o maior museu de arte do mundo estava muito lotado para permitir a entrada de mais pessoas durante o dia. Existem 782.910 pés quadrados no Louvre, e cada centímetro estava lotado.

Ou, mais provavelmente, as dezenas de milhares de convidados diários se aglomeravam ao redor do Monalisa, talvez a obra de arte mais facilmente reconhecida do mundo. Agora Jason Farago, crítico de arte da New York Times, é discutindo que a pintura deveria ser retirada, pois seu lugar no museu está arruinando a experiência de visitá-lo.



Este conteúdo é importado do Instagram. Você pode encontrar o mesmo conteúdo em outro formato ou pode encontrar mais informações em seu site. Ver no Instagram

Ele oferece algumas estatísticas muito boas ao defender seu ponto de vista. No ano passado, 10 milhões de visitantes visitaram o Louvre, um aumento colossal de 25% em relação a 2017. Oitenta por cento dos visitantes dizem que vieram para ver o Monalisa. E a maioria dessas novas pessoas vem empunhando smartphones com câmeras frontais, o que significa que a experiência de ver o trabalho de Leonardo da Vinci mudou drasticamente em pouco tempo.



A pressa foi tão terrível que a equipe de segurança do museu realmente entrou em greve, e uma reforma recente significa que a pintura está agora a 3 metros de distância dos visitantes. “Esta é uma galeria que faz com que o processo de embarque da Spirit Airlines pareça um modelo de eficiência e oferece o máximo de deleite visual”, brinca Farago.

É compreensível levantar-se contra sua sugestão - como um crítico de arte ousa negar a arte de quem quer vê-la? -, mas Farago não acha que a obra deve ser escondida em um depósito. Ele apenas sugere que deve haver um método alternativo de exibição, como um pavilhão apenas para a pintura no vizinho Jardim das Tulherias. De qualquer forma, parece que algo precisa mudar. E provavelmente não será a cultura selfie.



Este conteúdo é importado de {embed-name}. Você pode encontrar o mesmo conteúdo em outro formato ou pode encontrar mais informações em seu site.

Seguir Casa linda sobre Instagram .

Kaitlin Menza é redatora freelance de filmes.Este conteúdo é criado e mantido por terceiros e importado para esta página para ajudar os usuários a fornecerem seus endereços de e-mail. Você pode encontrar mais informações sobre este e outros semelhantes em piano.io Anúncio - Continue lendo abaixo

Artigos Interessantes